terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Primeira viagem gravidinha

Viagem... 
Eu particularmente não gosto muito de viagens... O motivo? Não sei ao certo, mas creio que seja uma junção de muitos fatores: sou muito caseira e gosto de ficar em casa de bobeira com meu marido, apenas assistindo filmes; não gosto muito de sair da rotina; quase sempre que viajo meu sistema imunológico dá uma enfraquecida e acabo por pegar uma gripe ou algo parecido; e o pior... durante muito tempo sofri de cinetose.
Pra quem não sabe, cinetose é mais conhecido como o enjoo de movimento. Aquele que a pessoa fica enjoada durante viagens, seja de carro, ônibus, avião, navio... Desde criança eu fiquei escrava do Dramin nas minhas viagens, e resolvia, mas de uns anos pra cá, nenhum remédio estava mais surtindo efeito.
Confesso que já estive pior. Teve vezes que bastava 5 minutos dentro de um carro e eu já começava a ficar nauseada. Quando era criança eu passava mal mesmo, mas depois de adulto eu até enjoava, porém aguentava até o fim da viagem (aos trancos e barranco, mas chegava). Então acho que isso me deixou meia traumatizada com viagens.
Naquele último Júbilo, eu recebi uma palavra da Rachel, que na verdade foi no final de semana anterior ao Júbilo. Era domingo de manhã, e ela tinha dito que naquele dia ela iria na nossa igreja de Taguatinga e não na Sede do Lago Norte, mas teve que ir lá pois Deus mandou um recado a 4 pessoas de lá. Então ela foi.
Eu era uma dessas 4 pessoas. Ela me chamou lá na frente (detalhe, ela nunca tinha me visto antes na vida) e disse que eu estava sendo liberta de algo que me aprisionava desde a infância. Deus não disse, através dela, o que realmente era, mas na hora só me veio esse problema de cinetose na mente. Ela me ungiu e disse que naquele momento eu acabara de ser liberta.
Amém! Cri muito nessa palavra do Senhor para minha vida.
Depois disso, fiz uma pequena viagenzinha pra Anápolis, na casa da minha prima Gleice, e de fato não me senti mal. Fiquei extremamente feliz, e pude me certificar que era realmente disso que Deus me libertou.
É difícil colocar em palavras como eu temia esse mal. Sempre que tínhamos alguma viagem marcada, eu já sofria uma semana antes. Eu chorava sempre que me lembrava que tinha que entrar num carro ou num avião durante horas. E realmente só de pensar, a minha mão suava e eu tinha arrepios. No dia eu me dopava de remédios. E por fim, nada resolvia e eu me sentia mal do início ao fim da viagem.
Então vocês podem imaginar o alívio que eu sinto em saber que Deus me libertou dessa prisão.

Mas enfim, voltando a minha primeira viagem.
Planejamos de ir a Caldas Novas em Novembro, mas especificamente pra Pousada do Rio Quente. É um lugar sensacional. Eu amo muito aquele lugar. É lindo, águas termais, é perfeito.
Íamos eu, meu marido, meu irmão, meu pai, minha mãe, e o Isac (filho do nosso caseiro, um nenininho de 8 anos). Mas depois a namorada do meu irmão resolveu ir com a gente.
Fomos! E a parte mais feliz foi eu não ter sentido nada. Não tive nenhum sintoma de cinetose. Glória a Deus por isso. Tanto na ida, quanto na volta, correu tudo bem!
Lá eu pude descansar, curtir minha gravidez e ficar mais tempo com meu maridinho. Sim, pq na correria do dia a dia, a gente nem aproveita muito o casamento. Então essa viagem foi muito boa pra mim, pra minha gravidez, pro meu casamento e pra minha alma.
Teria sido perfeito, se não fosse por 2 acontecimentos ruins.
O primeiro, é que teve um dia que eu, do nada, passei mal. Estava no quarto do hotel, sentada na cama, e de repente tive que correr pro banheiro pra  vomitar. Foi horrível. Foi a primeira vez que vomitei durante toda a minha gravidez, e espero que tenha sido a última. O Diogo ficou mais preocupado do que eu. Não sabia o que fazer, tadinho! Mas ele cuidou bem de mim e logo eu já estava boa. Creio que foi esses enjoos que toda grávida reclama, mas como isso nunca tinha acontecido comigo, realmente fiquei preocupada, achando que tinha algo errado com o bebê. Até parece, né? rsrs...
E o segundo... Afff... Só de lembrar eu me sinto mal.
Bom, durante toda a viagem, a namorada do meu irmão me irritou. Sei que tudo pode ser pela gravidez, por eu estar mais sensível e mais irritada, mas acho que ela passou dos limites.
Tipo, ela teve que ficar no meu quarto, pois tínhamos reservado apenas 2 quartos, sendo um pros meus pais e meu irmão e o outro pra mim, o Diogo, Isac e ela. Então querendo ou não, já é um incomodo, pois acaba por tirar um pouco a liberdade do casal. E depois vira e mexe ela tava reclamando de algo. Coisas do tipo: o nosso quarto é mais longe dos parques aquáticos do que o dos meus pai, pq a televisão só pode ficar na quarto do casal e não na sala (que era onde ela tava dormindo), o nosso hotel é inferior ao deles, pq que a gente fica mais tempo do Parque da Fontes do que no Hot Park... Enfim, coisinhas pequenas, mas que me irritavam dia após dia. Na minha cabeça eu pensava, poxa, como uma pessoa vem com a gente de favor, e ainda tem a cara de pau de ficar reclamando de tudo assim? Na verdade teve mais inúmeras coisinhas, mas que eu nem quero ficar relatando aqui pra não me estressar de novo pelo mesmo assunto.
Bom, daí a gente teve que vir embora um dia antes, por causa dos pedreiros que estava em obras lá em casa. Mas meu pai resolveu passar em Goiânia pra comprar umas coisinhas pro bebê. Achei o máximo, pois mesmo estando cansada da viagem, era empolgante tudo relacionado ao novo membro da família.
E mais uma vez ela deu xilique. Ficava reclamando de ta demorando, de ter que andar muito, do sol quente demais, que isso não era o combinado, que não adiantou nada ir embora um dia antes, pois estávamos perdendo esse dia em compras, e blá blá blá blá. Ah, era ela e meu irmão nessa chatisse.
Chegou uma hora que eu não aguentei mais e falei. Nem me lembro exatamente o que falei, mas sei que fui bem clara ao dizer que da próxima vez vamos vir eu e meu marido, e nada de levar eles dois, pois ela não tinha direito a reclamar de nada, pq estava indo de favor, e quem está nas condições que ela estava não podia fazer nada do que ela estava fazendo.
Pronto! Confusão armada.
Meu irmão ficou irritado comigo e tentou me empurrar, acertando o Diogo no meu lugar, e ela, é claro, conseguiu o que queria: colocar meu irmão contra a família.
Enfim, paramos as compras, cada um pro seu carro e voltamos pra casa.
Teve um final ruim. Mas depois de aguentar uma semana inteira as reclamaçãozinhas dela, e só no último dia eu explodir, já me surpreendi comigo mesma.
Perdi as estribeiras ao por pra fora aquilo que estava me incomodando a dias, mas eu não pude mais aguentar.

Bom, mas falando de coisas boas agora. A viagem, no geral, foi ótima! E vou postar algumas fotinhas de lá, pras quem não conhece ficar com vontade de conhecer, hehe...






























quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Tipos de Partos

Desde quando se engravida, você nunca mais (até o nascimento) pára de pensar em parto. É uma neura que toma conta da nossa mente e que provoca arrepios! Mas pq isso acontece? Muito simples, porque as pessoas a nossa volta nunca têm boas histórias de parto pra nos contar, nos jornais só mostram mulheres parindo na frente do hospital, do lado de fora, sem atendimento médico, ficamos sabendo de outras que tem seus filhos sozinhas em casa (não por escolha) sem ajuda de ninguém, e muitas outras que perderam seus bebês por falta de auxílio ou até que morreram. Sim, o mundo nos oferece inúmeras informações de partos mal sucedidos. Mas e os partos que deram certo? Ah, esses não são tão anunciados não.
Mas eu, no meu auge de preocupação sobre parto, procurei mais informações sobre os parto que deram certo. Achei! E muuuuuuuuuitos!

Existem sites como: http://www.amigasdoparto.com.br/depoimen.html e http://www.partosemdor.com.br/portugues/depoimentos.php

Esses sites são de depoimentos reais de partos, sejam eles cesária, normal, natural humanizado... São mulheres comuns que contam detalhadamente o dia do parto. Lá a gente consegue ter uma noção real dos pontos positivos e negativos, das frustrações e das alegrias, e tudo vendo do ponto de vista da parturiente, e não do ponto de vista de jornalistas ou pessoas que intensificam as partes ruins e se esquecem das boas.

Vi bastante vídeos no You Tube tb, e indico assistirem dois (um cesária e um normal, mas só assista se tiver estômago forte): http://www.youtube.com/watch?v=YqFfSbgi1kY e http://www.youtube.com/watch?v=7jEZsOnUcWw

Existem vários tipos de partos, mas os mais conhecidos são: Parto normal (ou vaginal), parto cesária e parto natural. Mas ainda tem outros como: parto cócoras (ou das Índias), parto Leboyer (ou nascimento sem violência), parto na água e parto à forceps. Vou falar um pouquinho de cada.

Parto Normal ou Vaginal: é a forma mais convencional. Mas não necessariamente precisa ser como antigamente, sem anestesia de tudo. Hoje pode ser aplicada uma anestesia mais leve como a peridual ou a raque, sem ser geral, fazendo com que a mãe continue participando ativamente do parto. Mas tudo isso é feito em hospital.

Parto Cesária ou Cesariana: é uma cirurgia de médio porte, que deveria acontecer somente em casos específicos e não a toda hora e em qualquer situação. É feito um corte de 7 camadas, com aproximadamente 10 cm de comprimento, onde a mulher deve ser anestesiada parcialmente ou geral. De todos os tipos de parto, esse é o que requer mais cuidado antes, durante e depois do parto e o pós operatório é tb o mais demorado e crítico. É mais indicado em casos de sofrimento fetal, pré-eclampsia, posição fetal invertida ou inadequada, pressão arterial alta (da mãe), entre outras.

Parto Natural: geralmente é realizado em casa mesmo ou em casas de parto, porém sem intervenção médica nenhuma (nem anestesia), somente com a presença de uma doula (enfermeira/parteira) ou sem ninguém mesmo. É possível se ter um bebê assim, da forma mais natural possível, mas deve-se antes saber se a parturiente está dentro de todas as condições normais para um parto sem um hospital.

Parto de Cócoras ou Parto das Índias: É como o parto natural, só que na posição de cócoras. Nesse caso é necessário da ajuda de alguém (só um acompanhante mesmo) que posso ajudar a segurar a mãe nessa posição e para ajudar a segurar o bebê (para que ele, ao nascer, não venha a cair).

Parto Leboyer ou Nascimento sem Violência: é caracterizada por um ambiente com pouca luz, silêncio (principalmente após o parto), massagem na mamãe e nas costas do bebê, sem a famosa palmadinha no bumbum do neném para chorar, corte do cordão umbilical somente depois que pára de pulsar, e pode ser feito em casa mesmo ou tb numa casa de parto. Sem intervenções médicas e bem longe de hospital.

Parto na Água: como o nome já diz, é um parto feito na água, onde o bebê sai de um líquido quentinho (líquido amniótico) para outro tb quentinho, podendo ser em uma banheira (mais indicado) ou piscina. Este parto não é recomendado em caso de prematuro, presença de mecônio, sofrimento fetal, portadoras de HIV, Hepatite B, herpes genital... Tb não tem intervenções médicas, então a mamãe e o bebê devem estar bem, sem nenhuma observação preocupante.

Parto a Fórceps: o fórceps é um instrumento que se parece com uma pinça, onde o médico puxa o bebê para fora. É meio violento, mas só é usado em casos extremos, onde a mãe já não consegue mais forçar a expulsão do bebê, mas só é usado mesmo em caso de emergência, quando não dá mais pra esperar.

De todos esses tipos de partos eu prefiro o parto normal mesmo. Não gosto da idéia de cirurgia sem necessidade, mas tb não sou tão radical a ponto de tentar ter em casa sem recurso médico nenhum.
Eu não sou contra a nenhum, pois tudo depende do estado emocional e físico da mulher, e até das condições financeiras. Mas se fosse única e exclusivamente por escolha minha, eu realmente escolheria o parto normal. Infelizmente não tenho certeza se na hora eu vou mesmo ter coragem de encarar esse tipo de parto, e tb não sei se meu corpo vai de fato estar preparado (no sentido de dilatação e essas coisas).
Peço muito a Deus que eu dê conta. Que se necessário, eu opte somente por uma anestesia local mesmo, e que eu consiga participar ativamente do meu parto, sem estar dopada e cheia de intervenções  médicas. Mas... Sei que não depende só da minha vontade!

Enquanto não chega esse momento tão esperado, e às vezes até temido, vou pesquisando e assistindo vídeos de cada um dos tipos de parto. Ah, e orando, orando muito ao meu Deus, pra que seja feita a vontade d'Ele!!!

Entrando na Rede Pública

Dia 19/10/11 (Quarta-feira) foi o dia da minha primeira ida ao postinho de saúde. E já no início desse post, quero dizer que eu ADOREI!!!!
Sim, eles são mil vezes melhores que o pessoal da área particular. Eles são muito mais atenciosos, têm muito mais experiências (pois, fazem partos e atendem gestante o tempo inteiro), você pode fazer todos os exames de graça, e simplesmente podem pegar os remédios e vitaminas de graça tb. Nossa, por enquanto eu não tenho do que reclamar. Espero que seja assim até depois do parto.

Primeiro eles fizeram meu cadastro, onde eu peguei meu Cartão da Gestante. É nesse cartão que está todo o meu histórico, tipo peso, idade, IMC (Índice de Massa Corporal) por consulta, se é a primeira gestação, se foi planejado... Eu sou instruída a andar com esse cartão dentro da bolsa o tempo todo, pois, se Deus me livre, acontece algum problema, algum acidente, eles são capazes de me atenderem da maneira correta de acordo com as informações contidas no cartão.
Depois eu fui encaminhada para a primeira palestra (são 3 no total, uma para cada trimestre da gestação). Nessa palestra eles dão informações (mais para mães leigas) sobre o início da gestação, como se alimentar bem, o que fazer em casos de dor ou sangramento, explicam sobre as mães portadoras de HIV, sobre a Sífilis, Toxoplasmose e outras doenças que podem atingir as mais novas mamães. São informações na linguagem que as mulheres de classe baixa possam entender, sem termos médicos, e isso é muito bom. Eu fiquei feliz de saber que o Governo Brasileiro faz esse tipo de trabalho para essas mães, que muitas vezes não têm nenhum acesso a informação. Claro que muita coisa ali eu já sabia, mas me senti protegida lá, me senti como se eles se preocupassem mesmo com a gente. Saí de lá muito alegre.
Depois disso a gente passa pela parte de questionários, para eles saberem o grau de instrução de que você tem. Não instrução do tipo Ensino Médio Completo e sim instruções sobre a gestação.

A minha consulta mesmo foi marcada para o dia 09/11/11 (tb era uma quarta-feira).
Fui atendida pelo Dr. Minervino, que só atende na parte da tarde. Gostei muito desse médico. Ele é tb um senhor de idade, e tem muita experiência em casos de gravidez de risco. Ele faz partos no HRAN e é muito conhecido em Brasília. Até hoje nunca ouvi nenhuma reclamação dele, e olha que eu vasculho bastante pra ver ser acho esse tipo de informação. Aliás, nós temos um amigo que é obstetra aposentado, que mesmo sem saber que eu já o conhecia, me indicou ele pra me atender no pré-natal.
Nessa consulta eu pude ouvir o coraçãozinho do nosso bebê. Ai, foi tão lindo!
O médico disse que estava tudo bem comigo e com o bebê, e que aquele diagnóstico precoce sobre a tal Diabetes Gestacional, estava fora da minha vida, e que só no terceiro trimestre, eu precisaria fazer de novo o teste, mas que por enquanto estava tudo bem.
Ele me passou pra tomar Sulfato Ferroso de 40 mg, 1 comprimido ao dia. Que nada mais é do que ferro, para evitar anemia. Devo tomar até o fim da gestação.
Se sentir enjoo, tomar Dramin B6 de 8 em 8 horas. Se não resolver, tomar Meclin 25mg tb de 8 em 8 horas.
Mas posso dizer que os enjoos me esqueceram um pouco, hehe... Graças a Deus!

Ah, não posso me esquecer de contar... Tem mais uma coisa que está me incomodando e muito! São as espinhas!!!! Elas estão no meu rosto, nas minhas costas e nos meus braços. Nunca tive tanta espinha assim na minha vida. Estou parecendo uma garota no auge de sua adolescência. Affffffff...
O pior é saber que eu não posso fazer nada, absolutamente nada. Nada de pomadas anti-acne, ácidos, nem mesmo limpeza de pele. Como assim? Vou ter mesmo que conviver com isso sem tomar nenhuma providência? Não acredito nisso!

Bom, mas no geral, estou bem, estamos bem!

Segunda Ecografia

Na minha primeira ecografia, a clínica me devolveu (acho que sem querer) o pedido médico. Então resolvi usá-lo de novo em outra eco.
Eu estou super ansiosa pra saber o sexo do bebê, então preciso fazer outra ecografia.
Marquei em outra clínica agora, e por incrível que pareça, mesmo o Diogo já tendo saído do emprego, o plano de saúde ainda cobriu mais essa ecografia.
Foi marcada para o dia 13 de Outubro.

Resultados:

5,5 cm de comprimento ( cabeça - nádega);
Sinais vitais presentes, representados por movimentação ativa e batimentos cardíacos rítmicos;
Líquido amniótico com volume normal;
Idade gestacional pela DUM (Dia da Última Menstruação) de 12 semanas e 3 dias.

Abaixo tem algumas fotinhas dessa segunda eco, mas, infelizmente, ainda não deu pra saber se é Sarah ou Gabriel. Snif : (
Mas, por outro lado, está tudo bem com o baby : )
O médico acha que viu um pintinho, mas não tem certeza, pois o bebê estava com as perninhas cruzadas, então ele deu um chute: ele acha que é um menininho!!
Eu estou começando a achar que estão todos errados. Todo mundo diz ser homem, todos mesmo, sem exceção, mas eu e o Diogo ainda não temos certeza de nada.

Essas são as fotinhas dele/dela de costas. Dá pra ver a coluna e as costelinhas, hehe...



Ah, gostei muito desse médico que me atendeu na ultrassonografia. Ele é bastante atencioso, me explicou tudinho e conversou bastante com a gente. Ele já era um senhor de idade e realmente era super educado, enquanto o outro (da primeira eco) era super jovem e super mal educado. E a clínica, dessa segunda, é super tranquila, bem mais vazia e entregam o resultado no dia seguinte. Senti paz e tranquilidade lá. Gostei e indico.
O nome da clínica é Portimare - Clínica de Imagem. Fica dentro do Hospital São Lucas, no subsolo, na 715/915 Sul.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Mudanças

É... A vida não anda muito fácil pra mim. Às vezes acho que reclamo demais, mas eu nunca passei por nada disso que ando passando ultimamente, e tudo que é novo na nossa vida a gente tende a ter mais dificuldade.

Estou cheia de trabalhos da faculdade pra entregar, e nos próximos dias já será a semana de provas.
A verdade é que eu não estou conseguindo estudar em casa, nem fazer os trabalho e nem assistir aula direito. Motivo: mal estar constante.
Os enjoos em si até deram uma trégua, mas me sinto fraca, sem forças, sem ânimo. Ando tendo muitas dores de cabeça e insônia. Durante o dia fico caindo de sono, mas quando chega a noite eu não consigo dormir. A cama me incomoda, o edredom me sufoca, mas sem ele sinto frio, me irrito com tudo, até com o corte de cabelo do Diogo, não tenho paciência pra conversar e do nada fico extremamente triste...
Eu realmente não estou bem. Às vezes não consigo nem orar, por falta de coragem de abrir a boca, e acabo pedindo ajuda a Deus em pensamento mesmo.
Alguns médicos definiriam esse estado como depressão, mas sabem que devido a gravidez, dizem novamente que é normal e que é culpa dos hormônios. Já tô cansada de ouvir essa mesma resposta pra tudo que sinto.
Ah, e tem mais uma coisa que eu nunca imaginei que tinha a ver com gravidez, nem se quer nunca tinha lido sobre isso: meu nariz vive entupido, está sempre congestionado, então quando eu deito a situação dá uma piorada master, e é mais um motivo pra não conseguir dormir. Ando gastando um potinho de Neo Soro por semana. Esse negócio vicia, e acho que já era pra mim. Agora só ando com um na bolsa e sempre fica um no criado mudo ao lado da minha cama. Simplesmente não vivo mais sem ele. Oh, Lord!!!

Pra completar, a empresa que o Diogo trabalhava simplesmente fechou, mandando embora mais de 2 mil funcionários, e claro que ele foi um dos demitidos.
Não é a primeira vez que passamos por isso... Me lembro de faltando pouco mais de um mês pra gente se casar, o Diogo ficou desempregado, e agora que estou grávida estamos na mesma situação.
Creio que logo ele arrumará outro emprego, mas o que me deixou mais triste e preocupada foi o fato de perdermos nosso plano de saúde. Agora vamos ter que nos virar.
Pensei em duas hipóteses: entramos em um novo convênio médico, que vai sair bem mais caro que o nosso anterior (por ser plano familiar e não empresarial como o que era) e que ando me decepcionando com esses planos; ou encaro a rede pública, que no Brasil ela meia precária, como muitas gestantes já devem saber.

Bom, depois de muito pensar, resolvi ir no Posto de Saúde, próximo ao meu trabalho. Se eu não gostasse, eu desistiria e faria logo um novo plano. Mas... Eu gostei muito do atendimento lá.
No Postinho (da rede pública, que gosto de frisar, pois a maioria das pessoas tem uma visão ruim, assim como eu tinha) eles dão o maior atendimento as gestantes, elas sempre tem preferência nos atendimentos.
Fui lá e marquei minha primeira consulta, que ficou agendada para o dia 19 de Outubro.
Vamos ver se vou gostar, mas tenho boas esperanças!

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Exames Gerais

Estou tomando ácido fólico desde que descobri que estava grávida. Na verdade foi por conta própria, pois como sou uma futura nutricionista, sei que se deve tomar.
O ácido fólico, mas conhecido por mim como Vitamina B9, é responsável pela formação de proteínas estruturais (que o bebê precisa, e muuuuuuuuuito) e hemoglobina (que tb o bebê precisa muitíssimo).
Na verdade a futura mamãe deve começar a tomar o Ácido Fólico 3 meses antes de engravidar e perdurar durante toda a gravidez, sendo o pico de maior importância nos 3 primeiros meses. Mas como eu não imaginei que ia engravidar tão rápido e de certa forma foi meio inesperado, só comecei a tomar quando já estava com mais de 2 meses, bem no meio da idade gestacional mais importante.
São nos 3 primeiros meses que se dá a formação do bebê (que por sinal, nessa idade, os médicos costumam chamar de feto ainda, mas uma mãe não trataria assim seu filhinho/a), por isso essa suplementação é tão importante nessa fase.
Então se você é mamãe de primeira viagem, como eu, saiba que não precisa esperar a consulta do seu médico, já pode ir tomando logo o Ácido Fólico. A não ser que você tenha algum problema, alguma deficiência, sei lá. Daí é melhor esperar mesmo, mas se você não tem problemas de saúde, pode ter certeza que essa vitamina é de extrema importância.
A falta do Ácido Fólico pode causar anemia, e aí o sofrimento é grande.
As futuras mamães que tem gastrite, como eu, não devem tomar nenhuma vitamina de estômago vazio, pois pode sentir dor estomacal. Eu geralmente tomo depois do jantar, antes de dormir.

Nossa, esse post tá parecendo mais uma consulta, né? Desculpem, é mal de nutricionista querer passar essas informações, hehe...

Ah sim, esqueci de dizer os exames que o médico pediu pra eu fazer.
Esses exames são os mais comuns de se fazer quando se descobre uma gravidez.
Segue abaixo a lista desses exames:


Ácido Úrico                                                                          
Anticorpos Anti - HIV (1+2)                                                  
Anticorpos Anti - Hepatite C (HCV)                                      
Antígeno Australia (HBSAG)                                                  
Citomegalovírus (IgG)                                                            
Enzimoimunoensaio                                                                
Citomegalovírus (IgM) - Soro                                                
Creatinina                                                                              
Glicose
Toxoplasmose - Anticorpos IgM
Uréia
Urina Tipo 1
Toxoplasmose - Anticorpos IgG
Sistema ABO e RH
Sífilis - VDRL
Hemograma

De todos esses exames que eu fiz, deu uma pequena alteração na minha proteína e na glicose.
Na proteína deu perda positiva com um x. Isso significa que eu preciso ingerir mais proteína, pois o bebê está  absorvendo mais proteína do meu corpo do que eu tenho ingerido. Como é só um x, é algo bem leve. Mas vamos comer carne, hehehe...
Com relação a glicose, o normal é de 70 a 99 mg/dL. O meu deu 86mg/dL, ou seja, ao meu ver não deu alteração nenhuma, pois está dentro do normal, mas dois médicos que olharam me falaram que isso era uma suspeita de diabetes gestacional.
Fiquei extremamente preocupada, é claro. Logo eu, que amo doces e carboidratos. Talvez seja exatamente por isso, pelo meu exagero desses dois nutrientes que veio a dar essa "suposta" alteração.

O Diabetes Gestacional é uma impossibilidade do organismo de utilizar a glicose, geralmente por uma deficiência nos receptores de insulina. As gestantes com GPJ acima de 126 mg/dL tem DMG com certeza, e aquelas que tiverem acima de 85 mg/dL podem ter somente uma suspeita. Ou seja, estou no segundo grupo.
Mas pelos sintomas eu acho que não tenho DMG não, pois quem foi realmente diagnosticado tem um aumento elevado do apetite e consequentemente um ganho de peso exagerado e rápido. Eu continuo comendo da mesma maneira de quando não estava grávida e fiz foi perder peso. Então creio que está tudo bem.
Por outro lado, minha dilatação uterina está um pouquinho acima do da maioria das gestantes de acordo com a idade gestacional, mas de acordo com o médico, é devido a uma grande quantidade de líquido amniótico e nada tem a ver com o bebê, e tb não tem nenhuma relação com ter ou não ter DMG (Diabetes Mellitus Gestacional).
Provavelmente eu irei refazer o teste de glicose, se der a mesma coisa ou mais alta, devo fazer uma intolerância a glicose e depois uma curva glicêmica. Se der mais baixo, significa que eu simplesmente comi muito doce ou carboidrato um dia antes do exame. Mas isso eu realmente não me lembro, só sei que ultimamente eu tenho comido muita lasanha (carboidrato puro, que no nosso organismo se transforma em glicose).

O tratamento na verdade é até simples: dieta (com restrição de açúcar e carboidratos, que eu mesma posso fazer pra mim) e exercício físico (de leve a moderado, é claro). E somente se isso não resolver é que vai entrar a tão temida insulina.


Ter ou não ter DMG? Eis a questão!!!

Primeira Ecografia

Minha primeira ecografia foi transvaginal, e é sim meia desconfortável, afinal você vê uma "coisa" bem grande, com camisinha e muuuuuuuuuito lubrificante tendo que entrar em você. Não posso negar que me senti invadida.

Já consegui marcar essa eco logo no dia seguinte da estressante consulta. As clínicas de ecografia transvaginal que o plano cobria eram todas muito longe, e eu não estava afim de me estressar mais. Depois do que aconteceu no dia anterior, eu decidi fazer de tudo pra me manter calma, então resolvi ir em uma bem pertinho do meu trabalho, mas teria que desembolsar R$ 100,00. Se pra eu ter paz eu precisaria gastar money, ok, não me importava mais.

Dessa vez o Diogo quis ir comigo e não me estressou, fez tudo bem direitinho! Graças a Deus!
Fiz essa primeira eco no dia 22 de Setembro.
O Diogo entrou no consultório logo depois que eu já estivesse pronta (nua, com um jaleco aberto na frente). Achei meio constrangedor, mas se eu tive coragem de fazer um filho, agora tenho que ter coragem de me expor nesses exames de rotina. Imagino que o parto vai ser bem pior em questão de exposição.

Esse médico ultrassonografista, não era muito educado não, e dessa vez foi o Diogo que não gostou dele. Ele mal disse uma palavra...
Ah sim, essa clínica que eu fui, onde fiz a ecografia, eu não indico a ninguém. Lá é muito cheio, muito muvucado, os médicos são bem grossos, o atendimento é péssimo, e o resultado só sai depois de 7 dias úteis, enquanto a maioria te entregam no mesmo dia, ou no mais tardar no dia seguinte. Fala sério, basta imprimir, pra quê 7 dias úteis? Se alguém quiser saber o nome da tal clínica, pode me perguntar que eu respondo em particular, pra não gerar problemas.

Bom, vamos para a melhor parte, os resultados da primeira eco:
O bebê está com 9 semanas e 2 dias
Embrião único
Mede 2,5 cm
Batimentos cardíacos rítmicos (que por sinal é bem rápidinho, bem acelerado, essa hora de ouvir o coraçãozinho foi emocionante).

Segue aí as primeiras fotinhas do baby ainda no útero...


Eles tiraram várias fotinhas, mas eu só coloquei aquelas que eu (uma simples mortal) tenha entendido, pq tem umas que eu não consegui nem identificar o bebê.
Nessas duas dá pra ver ele/ela de cabeça pra baixo. Na fotinha de cima está de frente e na fotinha de baixo está de lado!

Muita emoção, ver o fruto do nosso amor pela primeira vez!!!
Sei que ainda nem tem aparência de um bebê mesmo, mas pra mim já é a coisinha mais linda!

Primeira Consulta

Minha consulta estava marcada para o dia 21 de Setembro, que por sinal, só consegui marcar essa data com muito custo, pq toda clínica que eu ligava, só tinha vaga para final de Outubro.
Daí quando chega no dia 20, a noite, me ligam do consultório desmarcando minha consulta. Logo minha primeira consulta. Como assim?
Me disseram que era por falta de pagamento do plano de saúde para os médicos. Não preciso nem dizer o quanto fiquei revoltada, né? Esse plano é pelo trabalho do meu marido, que aliás, todo mês era descontado diretamente do salário dele, ou seja, por nossa parte os pagamentos sempre estavam em dia.
Comecei a fazer as devidas ligações: liguei primeiro na ouvidoria do Plano de Saúde, e eles me informaram que não tinha nada de errado com o plano e que todos os pagamentos estavam de acordo. Voltei a ligar na clínica, mas eles continuavam com o mesmo discurso. A essa altura eu já estava muuuuuuuuuuuito nervosa. Se alguém aparecesse na minha frente me olhando meio torto já estava correndo risco de morte. Perguntei pra quando teria outra vaga na mesma clínica, e outra surpresa... Só para daqui a 2 meses. Afffffffff... Pedi para que não desmarcasse meu horário, e sim o mantivesse para amanhã mesmo, pois nem que eu pague por fora, eu tenho que ir. Detalhe: o valor particular (sem plano de saúde) são simplesmente R$ 250,00. Ninguém merece ter plano de saúde e ter que desembolsar esse valor por uma consulta.
Fui assistir televisão pra tentar me distrair. Eu mal ligo a TV e o que vejo: que amanhã (sim, justo amanhã) todos os médicos estarão de greve com os planos de saúde, atendendo somente particular, sem convênio. Essa parte as secretárias do consultório não falam não, né? Affff... Eu não mereço.

Bom, hoje (20/09/11) é aniversário da Gabi, e ela vai comemorar no Outback do Iguatemi. Resolvemos ir. Isso será bom pra aliviar essa tensão.
Realmente foi bom. Conversamos bastante, comi bastante, fiquei mais tranquila.

Acabo de notar que os enjoos deram uma trégua. Não ando sentindo nadinha já faz um tempo. Isso é realmente bom.
Por outro lado, tenho sentido muita dor de cabeça. Chega a latejar, mas prefiro dor de cabeça que enjoo.
Já li bastante sobre isso e em tudo quanto é lugar diz que tb é normal, e que a culpa tb são dos hormônios, como sempre! Esses hormônios são sempre os vilões.

Finalmente é chegado o dia da tão esperada primeira consulta (21/09/11). Fiquei ansiosa a manhã toda, pois a consulta seria à tarde, mais especificamente às 15hrs.
O Diogo disse que não ia trabalhar à tarde para me acompanhar na nossa primeira consulta.
Quando deu 14hrs liguei pra ele. Ele disse que saiu do trabalho e deu uma passada no trabalho do pai dele, lá no Guará. Já fiquei meia irritada com isso. Como assim? Sai mais cedo pra vir pra cá e acaba indo ver o pai. Afff... Mas ele me disse que já estava saindo de lá.
Liguei de novo às 14:15 e ele me disse que estava entrando no carro pra vir. Isso é pq a 15 minutos atrás ele já estava saindo. Saindo pra mim é saindo mesmo, e não se preparando pra sair.
Quando deu 14:40 liguei novamente, e achando eu que ele já estava bem ali na esquina, chegando aqui pra me pegar. Mais uma surpresa: me disse que resolveu passar na Feira do Guará pra comprar um pastel, pq não tinha almoçado ainda. Mas que agora sim já estava dentro do carro saindo do Guará.
Não acredito. Ele só pode estar brincando comigo. Só pode ser uma pegadinha. Mais que merda!!!!
Saiu meio-dia do trabalho e ficou fazendo o quê? Pq não almoçou antes? Aliás, pastel é almoço? Nem parece que é casado com uma estudante de nutrição.
Nossa, como eu fiquei com raiva, muita raiva.
Me senti muito mal. A impressão que eu tive é que ele não deu nenhum valor na nossa primeira consulta. É como se eu não estivesse em primeiro lugar, nem em segundo, nem terceiro e sim uma das últimas da lista dele.
Chorei, chorei, chorei muuuuuuuuuito.
Saí sozinha, peguei um ônibus e fui pra clínica. Mas fui chorando...
Ele ficou me ligando o tempo todo, mas eu não quis atender. Não queria falar com ele.
Desci do ônibus com um monte de material da faculdade na mão, uma bolsa pesada, um sol das arábias, suor escorrendo, e só com o endereço na mão, sem saber exatamente onde era.Demorei até achar o prédio.
O Diogo ficou mandando mensagem, pedindo perdão e dizendo que me ama. Mas agora eu não queria mais saber do amor dele. Desliguei o celular. Chorei mais um pouco. Passei no banheiro, lavei o rosto, e entrei na clínica.
Na verdade cheguei lá disposta a brigar pelo absurdo de não me atenderem pelo convênio e só terem vaga pra daqui a 2 meses. E como o Diogo tb não cooperou nem um pouco comigo, eu estava não era disposta a brigar, eu estava mesmo afim de brigar, e muito. Mas assim que eu cheguei eles me deram uma boa notícia: os médicos tinham feito um acordo com os planos, e tinham voltado a atender pelos convênios. Eu seria a primeira daquele dia a ser atendido sem precisar pagar particular pela consulta.
Essa notícia até me desarmou, mas logo depois o Diogo me apronta outra: liga na clínica pedindo pra secretária me dizer que ele precisava falar comigo para eu atendê-lo. Ah, mas eu não acredito nisso. É claro que eu mantive o celular desligado.
Passado alguns minutos o Diogo liga de novo, sim de novo, na clínica e pede pra falar comigo. Meu Deus, ele realmente está testando minha paciência. Pediu desculpa e disse que estaria me esperando em baixo do prédio, dentro do carro (já que eu não queria que ele entrasse no consultório comigo).
Entre no consultório (depois que o médico atrasou mais de uma hora), o médico fez algumas perguntas básicas, tomou um cafézinho (sim, enquanto me atendia), passou 1 kg de exames (mas era basicamente só isso o quer eu queria mesmo), pegou meus contatos e passou o número do celular dele. Me pesou: 57,400kg (perdi peso, pois quando engravidei eu pesava 59 e alguma coisa, quase 60). E disse que eu estava bem. Ah, e me disse que eu podia pintar o cabelo (mesmo assim prefiro não pintar por enquanto). E só! Fim da consulta.
Se eu tivesse pago pra ter essa consulta, com certeza eu teria saído frustrada, mas como deu tudo certo com o convênio médico e ele me passou os exames, ok! O Dr. Josias (esse é o nome dele) é super educado, conversa legal e me parece ser gente boa, mas eu esperava mais.
Ah, eu estou falando do peso pq quero ter realmente tudo registrado sobre minha gravidez. Sei que a maioria das gestantes não revelam isso, mas além d'eu não me importar em fazer essas revelações, eu escrevo tudo isso mais pra eu poder ler depois mesmo. Então, tudo certo. Aliás, pretendo falar de muitas coisas que a maioria das grávidas não diriam nem sob "reza braba", como diz minha vó, hehe...

Presentes

O primeiro presente foi o mais inusitado possível.
Cheguei em casa e em cima da mesa já tinha uma caixinha de presente.
E eu na maior inocência, achando que o presente era pra mim, né? Eu me esqueci que depois que você engravida, todos os presentes dados e todo o seu dinheiro ficam para o bebê, hehe...
Quando abro, quase morro de rir! Adivinhem só o que era? Um troninho!!! Mas conhecido por mim como "cagador", hehehe... Foi dado pelo empolgado do meu pai. Esse primeiro presente chegou no dia 08 de Setembro.
A fotinha do troninho ta aí em baixo.


No dia 18, meus pais viajaram pra Uruana-GO, onde minha outra avó mora, a Dona Geraldinha, mãe da minha mãe. Lá eles compraram as primeiras roupinhas... Tudo tão lindo!!! Essa parte de ganhar presentes para o bebê é tão gostosa!!!!
Meu pai disse que só comprou coisas neutras por não saber ainda se é menina ou menino, mas eu não deixei de notar que no meio das roupinhas brancas e amarelas, tinhas também verde, azul, umas meias com desenho de carrinho... Ele realmente acha que é menino!

Ah, e não posso me esquecer, meu pai tb comprou uma roupinha do Flamengo!
O Diogo é São Paulino, mas tanto eu, quanto toda a minha família somos Flamenguistas. Ou seja, meu pai fez isso só pra encher o Diogo, hehe... Mas ele disse que logo vai comprar uma do São Paulo tb!
Ai ai, esses homens!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Tempo tempo tempo tempo...

Estava eu aqui pensando...
Nós decidimos ter um bebê em Julho, daí em Agosto eu parei de tomar anticoncepcional.
Normalmente a mulher que tomou anticoncepcional durante muitos anos (que era o meu caso), demoram até 18 meses para voltar a ovular.
Eu nem sequer menstruei em Agosto, o que prova que eu engravidei logo que parei de tomar o remédio ou até antes, o que é mais provável.
Isso significa que foi Deus que colocou nos nossos corações o desejo de trazer um bebê pras nossas vidas e me fez parar de tomar o anticoncepcional.



De acordo com os meus cálculos, o tempo de Deus é perfeito, e o nosso tempo nada mais é do que falho!!!!

Correndo atrás do tempo perdido

De acordo com os meus cálculos, hoje (06/09/11) estou com 7 semanas e 2 dias. Quase dois meses.
O cálculo é fácil de se fazer:
Você pega o primeiro dia da sua última menstruação, que no meu caso foi dia 18 de Julho.
Soma-se 7 dias, que pra mim dá 25 de Julho.
Do dia 25 de Julho até o dia 06 de Setembro = 7 semanas e 2 dias.

De acordo com o exame de sangue, eu estou entre 2 e 3 meses.
Só na ecografia eu vou ter certeza.

Liguei pra Dra. Lúcia, uma amiga nossa que é ginecologista e obstetra. Ela me disse que eu deveria logo marcar uma consulta pra fazer uma ecografia morfológica o mais rápido possível, pois eu já estava no fim do primeiro trimestre, onde acontece a principal fase de formação do bebê. Então eu precisava saber se está tudo bem.
Liguei pra vários consultórios dentro do meu plano de saúde, e o mais rápido que eu consegui foi dia 21 de Setembro.
Voltei a ligar para a Dra. Lúcia e ela me instruiu a ir então pra um hospital qualquer com pronto-socorro e dissesse que estou me sentindo mal, daí o médico plantonista iria me passar os exames necessários.
Não concordei em mentir, mas nesse dia eu estava mesmo passando mal. Não tinha Dramin que dava jeito.

Bom, aqui começa o dia do meu teste de explosão emocional:

Fui pro HCB (Hospital das Clínicas de Brasília). Chegando lá falei que estava gestante e que estava me sentindo muito mal (era fato), o enjoo estava me matando.
Da hora que cheguei até ser atendida pelo médico de plantão foi bem rápido, coisa de 15 minutos.
O médico nem olhou pro meu rosto, tenho certeza que se perguntasse pra ele se eu era jovem ou velha, ou que cor era minha roupa, ele jamais saberia. Simplesmente ele me passou um milhão de litros de soro com Plasil (medicamento que sempre que tomo me dá vontade de sair correndo, me dá desespero, sei lá, umas reações estranhas que eu não sei explicar). Eu disse que não me sinto bem tomando Plasil, mas ele me disse que pra grávida não tem muita opção. Afff...
Fiquei lá das 14hrs até às 19hrs tomando soro. 5 horas direto deitada numa maca, sem nada pra fazer, sozinha, ouvindo crianças e velhinhos gritarem e chorarem por causa das agulhadas.
Ah, e por falar em agulhadas, a enfermeira açogueira, não encontrava minha veia e ficava dizendo que era muito fininha, como de criança. Na primeira "furada" escorreu sangue no lençol e manchou muito. Affff... Sempre que passava alguém por mim ficava ali olhando fixamente pra todo aquele sangue na cama. Vai saber o que se passava na cabeça dessas pessoas.
Eu não consegui dormir com toda aquele gritaria de crianças. E pra completar meu celular tinha acabado a bateria, então eu levei o da minha mãe, que por sinal só tem um mísero joguinho de tetris, que só me dava raiva. Estava também sem meu netbook, sem caderno, sem caneta, sem nada!
Só de me lembrar desses acontecimentos já me dá agonia e já fico irritada.
Comecei a ficar contando cada gota do meu soro que caía... Parei no 829. Comecei a ficar com vontade de correr. Maldito efeito colateral do Plasil.
Ligava pro Diogo a cada 20 minutos, depois comecei a ligar a casa 10, e por fim já estava ligando de 5 em 5 minutos. Ela só me dizia: "Calma amor, já tô quase indo te buscar". Calma piiiiiiiiii.... Vem logo me buscar *$%@#...
Vi 3 pessoas chegarem depois de mim e irem embora antes de mim. Era de fato uma tortura.
Finalmente o 4º litro de soro (o último, graças a Deus) acabou! Senti um alívio tão grande que é indescritível. Aí o Diogo resolve chegar agora... Afffff... Agora eu não preciso mais de você.
Voltei lá no médico com vontade de matar até a última geração dele, mas fui lá pq ele ainda não tinha me passado merda de exame nenhum.
Sabe o que ele me disse? "Prontinho, pode ir pra casa e descanse bastante".
O que? E as porcarias dos exames?
"Não. Depois seu médico te passa. Vai com Deus"
E vc fique com o diabo... Ahhhhhhhhhhhh... Que raiva. Depois repreendi esse meu pensamento, mas na hora eu quase disse isso mesmo.

Menino x Menina

A pergunta que não sai da minha cabeça: Será que é a Sarah ou o Gabriel???

Na verdade desde que nós começamos a namorar a gente já planeja formar uma família, e de tempos em tempos a gente ficava escolhendo nomes de filho... Então, quando a gente se casou a gente já tinha esses dois nomes em mente.
O que é mais legal é que a gente escolheu junto. Tipo, não foi eu que escolhi Sarah ou ele que escolheu Gabriel ou vice e versa, por incrível que pareça, nós escolhemos juntos. Mas quem foi que deu a ideia? Sei lá... Mas é até bom mesmo a gente não se lembrar, pq a maioria dos casais decidem assim: a mãe escolhe se for menina, o pai escolhe se for menino, e aí na maioria das vezes um sai frustrado. Isso não vai acontecer cmg, ou melhor, com a gente.


A minha mãezinha, como eu já tinha contado, diz ter certeza que é um menininhooo... Meu pai (seja por influência dela ou não) tb diz a mesma coisa.
Minha vó fez uma dessas simpatias (ou sei lá como é o nome), com os rins de um porco que ela acabara de matar (ele mora em um chácara em Anápolis - GO). Deu menino.
Minha sogra já tem uma neta, então disse que Deus deve estar mandando agora um neto.
Pra finalizar eu encontrei um site muito legal, onde tirei muitas dúvidas sobre gestação. Indico a todas as novas mamães: brasil.babycenter.com. Mas nesse link: http://brasil.babycenter.com/tools/calculadora-sexo-bebe/?intcmp=tnav_tool_genderpredict  tem uma tal de Calculadora do Sexo, onde a futura mamãe responde     a um questionário que, dizendo eles, interferem no sexo do bebê.
É claro que eu fiz, e de novo deu menino. Menino com O.
Já estou quase me conformando.

Existe um exame muito simples de farmácia mesmo, parecido com o de gravidez, que se é possível descobri o sexo logo no início da gestação, mas aqui no Brasil ele custa em média R$ 400,00. Eu, sinceramente, não tenho coragem de dar tudo isso num testezinho. Já pensou quanta roupinha eu não compro com esses mesmos 400,00 Reais.
O pior é saber que lá fora (USA) ele custa cerca de $ 20,00 Dólares. Affff...
Vou ter mesmo que esperar pela ecografia.

Eu não queria dizer isso aqui, mas na verdade eu não consigo me segurar. Tanto eu, quanto o Diogo queremos uma menina. Não tem motivo forte não. É só pq eu acho mais legal pra impiriquitar, arrumar... Tem tanta coisinha fofa de menina, que dá vontade de comprar até mesmo sem saber se é ela ou ele. E o Diogo tem fascinação por menina, mas eu nunca soube o motivo. Só sei que ele sempre amou criança, sempre quis ser pai, e sempre sonhou em ter uma princesinha.
Mas realmente nós já estamos nos acostumando a idéia de ser um homenzinho, afinal, ao que tudo indica, será ele mesmo...

Vamos esperar e ver o que vai ser...
Ansiedade!!!

Voltando a Rotina...

Ah, eu já ia me esquecendo...
Lembram que eu disse que tinha um certo receio de contar ao meu pai sobre minha gravidez? Pois é. A minha mãe contou a ele por telefone mesmo e na segunda-feira eu teria que encará-lo.

É chegado a tenebrosa segunda-feira, dia 05/09/11.
Contei pras meninas da faculdade e elas adoraram a notícia.
Eu faço nutrição e estou no 4º semestre, exatamente na metade do curso, e por coincidência, estou estudando nesse semestre sobre alimentação materno-infantil e da gestante. Quer dizer, coincidência não, Jesusidência. Não acredito em coincidências, pois nada é por acaso, e não poderia estar grávida numa época melhor, bem quando estou aprendendo tudo sobre alimentação nessa fase.

Chegando no trabalho, foi inevitável ver meu pai. "Ai meu Deus, e agora?".
Ele ao me ver, abriu um sorrisão e falou: "Parabéns pra nova mamãe!". E ainda brincou, me abraçando meio de longe, pra não apertar a barriga (que ainda nem existe, hehe...).
Bom, não foi um bicho de sete cabeças como eu imaginava, né?

Mudando de assunto...
Essa parte da descoberta da gravidez, de falar pra todo mundo, receber inúmeros parabéns é muito boa, mas quero que saibam de nem é tudo as mil maravilhas.
Mal começou a semana e eu já estou exausta. E não estou exagerando.
Eu continuo tendo enjoo, mas comprei Dramin B6 (santo remédio), então está bem tolerável. Vômito mesmo eu não tive nenhuma vez. Graças a Deus!! Tem coisa pior que vomitar?
Estou sentindo muito sono tb. Li sobre o assunto e descobri que esse sono descomunal é comum. Afff... Me surpreendi, pois estava dando pescadas até em filas de banco. Acho que as pessoas acharam que eu passei o final de semana todo na balada e acabei na segunda-feira nesse estado. Oh, Lord!
Fora isso também tem a faculdade... Estou morta de preguiça de estudar. Logo eu que sempre me considerei um ótima aluna na faculdade, agora estou assim, sem ânimo nenhum pra cadernos, apostilas, livros e calculadoras... Não tô mesmo afim de saber kcal das coisas!

Cansada, muito cansada : /

Revelando a notícia!

Naquele mesmo dia, 03 de Setembro de 2011 (Sábado), nós saímos contando pra todo mundo.
Geralmente as mulheres tendem a esperar completar 3 meses de gestação para avisar a família, por segurança mesmo, pois até o terceiro mês há riscos de aborto espontâneo, principalmente ser for a primeira gestação.
Mas eu não estava nem um pouco preocupada com isso, até pq desde que eu me casei, Deus tem me feito promessa de filho/filha, então eu sabia que nada iria acontecer. E outra: eu já não aguentava mais ficar guardando esse segredo, eu queria mesmo é que o mundo todo soubesse da minha mais nova felicidade.

Claro que a primeira pessoa que eu quis contar, depois de confirmado, foi pra minha mãe. Quer dizer, a primeira mesmo foi meu marido, mas fora eu e ele, minha mãe deveria ser a primeira a saber.
Pedi ao Diogo que fosse chamar minha mãe (nós somos, digamos, vizinhas. Moramos em casas separadas, mas dentro de um mesmo lote, mas depois explico melhor isso).
Ela chegou lá na minha casa com a cara de assustada, achando que tinha acontecido algo, pois não é comum eu mandar chamá-la assim.
Eu não quis fazer rodeios, e disse logo: "Mãe, você vai ser vovó!!!".
Primeiro ela me olhou mais assustada ainda, depois começou a chorar e rir ao mesmo tempo. Me abraçou e disse: "Finalmente eu vou ter um netinho".
Observe o "netinho", com "o" no final. Ela sempre teve convicção que seria um menino. E nem sabe explicar, simplesmente fala que é homem e ponto.
Ah, o meu pai tinha viajado, tinha ido na casa da minha vó (mãe dele) levar umas coisas pra ela, então eu não tive como dar a notícia pra ele logo. No fundo isso foi um alívio, pois na verdade eu não sabia como contar isso a ele, afinal, só há um jeito convencional de se engravidar, e eu não queria que meu pai pensasse isso de mim. Eu sei que esse meu pensamento é ridículo, até pq eu sou casada, mas algo em mim não queria admitir a ele que eu não era mais virgem.... kkkkkkkkk... Ok, pode rir, é sem noção isso mesmo, mas não posso controlar esses pensamento ilógicos!!!

Fui lá na casa dela e contamos ao Dedê (meu irmão). Ele ficou sério, e depois de uns segundos de silêncio, ele olhou bem pro Diogo e soltou um: "É bicho, agora é responsabilidade, heim?!".
A reação dele foi estranha. Acho que era uma pontinha de ciúmes que ele acabou deixando transparecer... Bom, sei lá, mas seja o que for, espero que ele se acostume com a idéia de ser tio, e mude a forma de se expressar...

A Lalá ligou querendo saber do resultado. Depois que confirmei ela ficou super feliz e disse que agora até ela tava querendo ter um bebê...
Grávidas sempre geram vontades de outras engravidarem, hehe...
A gente tem uma ligação muito legal. Eu me casei em Novembro de 2008 e ela se casou em Dezembro de 2008. E temos a mesma idade. Então eu sinto que fui a primeira, mas agora é a vez dela tb. Ah, e tb tem a Gabi, que tb se casou em Dezembro de 2008, mas precisamente dia 10, numa plena quarta-feira, hehe...

Fomos pro culto e muuuuuuuuuuuuuuuuuitas gente nos deu parabéns.
Eu me lembro que eu estava ajudando as meninas a se arrumarem pra apresentação de dança que teria logo mais, e as pessoas iam até mim, me procuravam até acharem, pra me parabenizar.
Disseram-me que o Diogo estava bem na entrada do templo dando a nova notícia a todos... rsrsrsrs... Ele estava mesmo empolgado. Não parecia em nada aquele marido que não dava o braço a torcer no dia do exame de farmácia.

No fim do culto eu descobri que a Rachel (aquela profeta americana), já sabia sobre a minha gravidez, mas não quis me contar pra não estragar a surpresa. E era sobre isso que ela estava falando na Tarde do Refrigério.

No domingo, dia 04 de Setembro de 2011, foi o dia de avisar a família do meu marido.
A gente não quis dar a notícia por telefone, decidimos por ir lá pessoalmente. Ela mora meio longe da minha casa, cerca de 1 hora de carro, mas sogra é a mãe do meu marido, né? Tem que fazer por onde.
No caminho compramos uma chupeta bem pequena (de recém nascido mesmo) e transparente... Linda, muito fofa. Juntamos com o resultado do exame de sangue e fomos procurar um pacotinho de presente.
Era domingo e não tinha nada aberto, não conseguimos encontrar nenhuma loja onde pudéssemos comprar um papel de presente ou algo parecido.
Mas, por sorte, encontramos o Guilherme (irmão mais velho do Diogo) uma rua acima da casa deles. Contamos a ele logo e ele foi o que ficou mais feliz da família toda. Ele já tem uma filhinha, a Rafaella, que acabou de fazer um aninho, e torcia para que nós dessemos um priminho ou priminha a ela.
Ele nos ajudou a arrumar o embrulho de presente. Ele tinha um em casa.
Ok, fomos para lá, mas antes o fizemos prometer que não diria nada a ninguém, pois entregaríamos o presente a Ely (minha sogra) pra ela descobrir só.
Chegando lá, entregamos o presente a Ely e ela começou a gritar. Demonstrou muita felicidade. Beijou minha barriga e tratou de contar pros outros.
O Ricardo (meu sogro) estava deitado no sofá, e quase não demonstrou entusiasmo com a notícia. Creio que é pq ele tava meio doente ainda da gripe. Espero que seja só por isso mesmo. Tinha o Murilo tb (irmão do meio do Diogo) que quando chegamos ele estava dormindo, e tb não demonstrou muito sentimentalismo não. Me deu um abraço e os parabéns.
Ah, teve tb a Keila (esposa do Guilherme, mãe da Raffaela, minha cunhada querida). Ela demonstrou muuuuuita felicidade tb... Amei saber que eles estavam felizes por mim! Ah, e acabei descobrindo que o Sr. Guilherme não cumpriu a promessa dele, e acabou contando a Keila antes da gente... Eu sabia! Ele é mais conhecido por "Línguinha". Já dá pra imaginar o motivo, né?!

Bom, essa foi a aventura de contar aos amigos e parentes!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

A Confirmação!!!

Sábado de manhã, dia 03 de Setembro de 2011... Eu e a Laysa saímos bem cedinho, antes dos meninos acordarem, e fomos em direção ao Sabin.
Fiz o exame de sangue (Beta HCG), mas o resultado só sairia às 18 horas daquele dia...  Ansiedade!!!
Fomos para a igreja, pois naquele dia (o 3º dia de Júbilo) já começariam os cultos pela manhã.
Algumas pessoas mais próximas já tinham ficado sabendo e já vinham me dar parabéns, mas como eu ainda não tinha certeza absoluta, e não tava nem um pouco afim de me frustrar, eu dizia que ainda não era certeza, era só uma suspeita...

Depois do almoço fomos pra casa (almoço só pro Diogo, pq eu não consegui comer nada, afinal eu ainda estava enjoada e a ansiedade tava me matando). O Diogo logo pegou no sono, e eu passei a tarde inteira no computador, apertando F5 o tempo todo na página no Sabin, e nada!!!
Tomei banho, arrumei a casa, e nada do tempo passar. Fui assistir televisão e finalmente adormeci...

Acordei assustada, pensando já estar a noite, olhei no relógio e ainda eram 17h29. "Será?"
Corri pro computador... F5...

POSITIVO

Corri pro quarto, acordei o Diogo, e pretendia fazer suspense, mas não deu certo. Acho que tava escrito na minha testa... Só consegui balançar a cabeça dizendo "Sim".
Nos abraçamos, nos beijamos, e lágrimas desceram pelas nossas faces. Curtimos, só nós dois, esse momento tão especial... Nada de euforia como no teste de farmácia, somente paz...

A descoberta

Um novo dia, plena sexta-feira, dia 02 de Setembro de 2011.
Fui pra faculdade feliz de saber que o dia anterior já tinha acabado... Minha felicidade durou pouco. Logo comecei a passar mal de novo... "Mas que merda, eu só posso estar muito doente."
O Diogo estava trabalhando e não podia ficar de novo comigo, então liguei pra Laysa, uma super amiga minha, que tb é da igreja, e que mora bem pertinho da minha faculdade.
Ela me buscou lá e eu passei o dia todo "trabalhando" com ela. Ela é advogada e passa o dia todo andando de um lado para o outro, em tribunais e  outras coisas lá que eu não faço nem idéia dos nomes.
Foi muito legal, deu pra relaxar um pouquinho, conversar, desabafar, mas... De tempos em tempo aquele mal estar dos infernos vinha, e eu tinha que parar, respirar fundo, tomar um gole d'água e sentar por um momento. "Oh Lord. O que está acontecendo comigo?"
Claro que a Lalá (Laysa) soltou logo: "Isso é neném".
Ai meu Deus, será?

Eh chegado a noite, o 2º dia de Júbilo. No final fomos conversar com uns amigos. Conversa vai, conversa vem, e a Gabi (esposa do João, muito amiga nossa tb, uma das líderes dos jovens) comenta que a menstruação dela está atrasada e que ela suspeitava de uma gravidez... Eu não aguentei e acabei falando que eu também cheguei a suspeitar.
Ela achou isso o máximo e propôs fazermos um teste de farmácia juntas... Eu não queria, afinal desde que me casei, vira e mexe eu achava que tava grávida, fazia teste e nada. Frustração é o que sobrava.
Mas de tanto ela insistir, acabei topando.
Saímos as duas disfarçadamente, em plena 1 hora da manhã, atrás de uma farmácia 24 horas. Encontramos, compramos e voltamos correndo. Fomos ao banheiro da igreja, lá no sub-solo, onde era mais tranquilo.
Cada uma entra em um box, um do lado do outro e....
Os minutos começam a passar e nada... "Gabi, eu não consigo fazer xixi".
Ela logo responde: "Nem eu... Já fiz até cocô e nada de fazer xixi..."
Comecei a rir, eh claro, e de repente... Consegui! Logo ela conseguiu tb.
Tivemos que aguardar um minuto... Foi o minuto mais longo das nossas vidas! Silêncio total!!!
A Gabi resolveu quebrar o silêncio com um "Negativo!". Não foi com alívio, nem com entusiasmo, foi quase que decepcionante.
"Bom, acho que o meu deu negativo tb, mas não tenho certeza". É pq apareceu um risquinho bem nítido e um outro meio apagado, sei lá.
Saímos dos boxes e ela olhou e meu e já começou a gritar: "Positivo, positivo, positivo!!!"
Fiquei tonta na hora, meu coração acelerou, meu estômago revirou... Eu não estava preparada pra isso. Não achei que iria dar positivo. Achei que era mais um teste idiota que eu ia fazer sem sucesso... Silêncio total e... Gargalhadas... Um misto de emoções sem controle! Sensação gostosa e aterrorizante ao mesmo tempo!

Tratamos logo de subir... Lá em cima, demos de cara com a Laysa se perguntando onde nós estávamos... Só mostrei o teste na minha mão e ela já começou a rir...
Depois veio a Pra. Renata até nós e perguntou se era isso mesmo que ela estava vendo... Cabeças balançando positivamente...
Os meninos Diogo, João e Renan (meu marido, o do Gabi e o da Laysa respectivamente) perceberam algo estranho no ar e vieram perguntar que alvoroço era aquele. Olhei nos olhos do meu amor e disse: "Estamos grávidos!!!".
Ele sorriu, me deu um beijo mas não deu o braço a torcer e manteve a pose na frente dos meninos. Disse que não confiava muito em teste de farmácia, que se eu suspeitasse mesmo deveria fazer o de sangue. Ok, amanhã faremos o Beta HCG.

Festa... Dormimos na casa da Laysa, que moro bem perto do Sabin (laboratório de exames).
A noite ia demorar a passar!

Ah, aí em baixo tem a fotinha do meu teste de farmácia...


A suspeita!

Era uma quinta-feira, o 1º dia de Júbilo da minha igreja (uma festa tipo um congresso), era exatamente dia 01 de Setembro de 2011.
Eu estava empolgada e ansiosa pra chegar logo a noite, pra eu ir ao Júbilo, mas ao mesmo tempo eu tb estava irritada, e de fato, sem motivo. Bastou uma chamada de atenção boba do meu pai no trabalho (sim, além de ser meu pai, é tb meu chefe, rsrsrs) pra eu explodir. Nossa, como foi desnecessário.
Liguei pro Diogo (meu marido, que por sinal tem uma paciência extrema) aos prantos por ter brigado com meu pai. Pedi que ele viesse me buscar. Ele, na maior calma do mundo, foi me buscar mesmo sem entender nada. Pq eh claro que eu não consegui nem ao menos explicar o que estava acontecendo, só chorava... Chorava de soluçar. kkkkkkk... Hilário pensar nisso agora. Me lembro que eu dizia que meu pai não me amava mais, que ninguém me amava mais, que o mundo me odiava. Nossa, realmente eu fiz um drama.

Pra minha surpresa, o Diogo resolveu me levar pra igreja. Disse que lá eu me sentiria melhor. Comecei a brigar com ele tb. Eu não queria ir pra casa, não queria voltar pro trabalho, não queria tb ir pra igreja... Na verdade eu nem sabia se queria ir a algum lugar. Eu só queria sumir, mas como não tinha jeito, achei que o Diogo iria pensar em um lugar pra me levar... Mas ele me levou pra igreja.
Chegando lá ainda era de dia, horário do almoço. Maior correria do mundo, afinal, eram os preparativos pra estréia do Júbilo!
O João nos viu chegar e veio falar com a gente, como eu estava com a maior cara de choro, é claro que ele perguntou o que estava acontecendo. Ah, o João é um super amigo nosso, é um dos líderes dos jovens da nossa igreja. Bom, ele só me disse pra entrar e assistir ao culto da tarde do refrigério. Claro que eu não queria, mas depois de muita insistência, resolvi entrar. Fui assistir o culto e o Diogo foi ajudar na arrumação da igreja.

Quando entrei me deparei com a irmã Beré pregando (é a anciã da nossa igreja, mãe do Bispo, muito sábia e muito usada por Deus). Logo que ela me viu, me chamou e disse que Deus tinha mandado ela me abraçar, que eu só precisava de um abraço e mais nada. Fui correndo receber o abraço dela e chorei muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito!!!! Voltei a me sentir amada. Era o que eu realmente queria: um abraço. Só Deus pra saber disso, até pq nem eu sabia direito o que eu queria ou do que eu precisava, mas Ele sabia.
Daí ele chamou a Rachel pra orar por mim (é uma convidada da igreja, uma americana negra, muito usada por Deus tb, uma profeta e tanto. Ela iria pregar durante todo o Júbilo). Ela orou por mim e depois me disse que Deus estava curando os problemas de relacionamento que eu tinha com meu pai constantemente através de algo que já foi feito. Hum.... Pensei, pensei, pensei e... Não entendi bolhufas! Mas ok. Vindo de Deus, amém, e se é pra curar, amém tb!
Acabou o culto e eu já me sentia bem melhor. Já não estava mais angústiada e chorosa.

A noite chegou e nós voltamos para o início do Júbilo.
Tudo lindo, tudo perfeito, o louvor estava uma benção... A pregação começou e eu comecei a me sentir mal. Fiquei enjoada e meia tonta. Saí do templo várias vezes, fui lá fora, tomei um ar, andava de um lado pro outro, e mesmo a pregação estando ótima, eu não via a hora de acabar, de tão estranha que eu estava me sentindo.
Finalmente acabou e só conversei um pouco com o pessoal e logo fui embora.
A noite tinha chegado ao fim! Graças a Deus! Esse dia não foi nada fácil de passar!

Resumão...

Na verdade criei esse blog hj (08/12/11), mas tenho tudo anotado desde que descobri minha gravidez, então vou contar tudo como se fosse no dia que descobri.
Mas antes quero fazer um resumão:

Conheci meu marido no ensino médio, na escola mesmo. Estudávamos na mesma escola, na mesma turma. Em pouco tempo nós começamos a namorar, em 12/03/2005.
Noivamos em Agosto de 2008, e nos casamos em 22 de Novembro de 2008.
Mas até chegarmos no casamento, aconteceram muuuuuuuuitas coisas, mas posso dizer, sem sombra de dúvida que esse casamento foi obra de Deus.
Deus foi tão fiel conosco, que mesmo sem condições financeiras ainda para se casar, Ele providenciou tudo e não deixou faltar nenhum detalhe. Desde pequenos presentes de casa mesmo, até a lua de mel foi feito por Deus!

Mas a melhor parte do nosso casamento, foi quando Deus falou conosco através do Bispo Roberto e minha vózinha Luzia... Foi maravilhoso, uma sensação indescritível. Imagina só: quem tem esse privilégio de Deus falar diretamente conosco durante a cerimônia de casamento. Detalhe, eu tenho tudo gravada, cada palavra dita por Ele a nós. O mais importante, que ficou mais gravado nas nossas memórias foi: "Esse casamento sou Eu que faço". E já diz a palavra de Deus, que aquela união que Deus faz, homem nenhum separa. Amém!!!

Deus seja louvado por essa vitória nas nossas vidas!!!