terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Primeira viagem gravidinha

Viagem... 
Eu particularmente não gosto muito de viagens... O motivo? Não sei ao certo, mas creio que seja uma junção de muitos fatores: sou muito caseira e gosto de ficar em casa de bobeira com meu marido, apenas assistindo filmes; não gosto muito de sair da rotina; quase sempre que viajo meu sistema imunológico dá uma enfraquecida e acabo por pegar uma gripe ou algo parecido; e o pior... durante muito tempo sofri de cinetose.
Pra quem não sabe, cinetose é mais conhecido como o enjoo de movimento. Aquele que a pessoa fica enjoada durante viagens, seja de carro, ônibus, avião, navio... Desde criança eu fiquei escrava do Dramin nas minhas viagens, e resolvia, mas de uns anos pra cá, nenhum remédio estava mais surtindo efeito.
Confesso que já estive pior. Teve vezes que bastava 5 minutos dentro de um carro e eu já começava a ficar nauseada. Quando era criança eu passava mal mesmo, mas depois de adulto eu até enjoava, porém aguentava até o fim da viagem (aos trancos e barranco, mas chegava). Então acho que isso me deixou meia traumatizada com viagens.
Naquele último Júbilo, eu recebi uma palavra da Rachel, que na verdade foi no final de semana anterior ao Júbilo. Era domingo de manhã, e ela tinha dito que naquele dia ela iria na nossa igreja de Taguatinga e não na Sede do Lago Norte, mas teve que ir lá pois Deus mandou um recado a 4 pessoas de lá. Então ela foi.
Eu era uma dessas 4 pessoas. Ela me chamou lá na frente (detalhe, ela nunca tinha me visto antes na vida) e disse que eu estava sendo liberta de algo que me aprisionava desde a infância. Deus não disse, através dela, o que realmente era, mas na hora só me veio esse problema de cinetose na mente. Ela me ungiu e disse que naquele momento eu acabara de ser liberta.
Amém! Cri muito nessa palavra do Senhor para minha vida.
Depois disso, fiz uma pequena viagenzinha pra Anápolis, na casa da minha prima Gleice, e de fato não me senti mal. Fiquei extremamente feliz, e pude me certificar que era realmente disso que Deus me libertou.
É difícil colocar em palavras como eu temia esse mal. Sempre que tínhamos alguma viagem marcada, eu já sofria uma semana antes. Eu chorava sempre que me lembrava que tinha que entrar num carro ou num avião durante horas. E realmente só de pensar, a minha mão suava e eu tinha arrepios. No dia eu me dopava de remédios. E por fim, nada resolvia e eu me sentia mal do início ao fim da viagem.
Então vocês podem imaginar o alívio que eu sinto em saber que Deus me libertou dessa prisão.

Mas enfim, voltando a minha primeira viagem.
Planejamos de ir a Caldas Novas em Novembro, mas especificamente pra Pousada do Rio Quente. É um lugar sensacional. Eu amo muito aquele lugar. É lindo, águas termais, é perfeito.
Íamos eu, meu marido, meu irmão, meu pai, minha mãe, e o Isac (filho do nosso caseiro, um nenininho de 8 anos). Mas depois a namorada do meu irmão resolveu ir com a gente.
Fomos! E a parte mais feliz foi eu não ter sentido nada. Não tive nenhum sintoma de cinetose. Glória a Deus por isso. Tanto na ida, quanto na volta, correu tudo bem!
Lá eu pude descansar, curtir minha gravidez e ficar mais tempo com meu maridinho. Sim, pq na correria do dia a dia, a gente nem aproveita muito o casamento. Então essa viagem foi muito boa pra mim, pra minha gravidez, pro meu casamento e pra minha alma.
Teria sido perfeito, se não fosse por 2 acontecimentos ruins.
O primeiro, é que teve um dia que eu, do nada, passei mal. Estava no quarto do hotel, sentada na cama, e de repente tive que correr pro banheiro pra  vomitar. Foi horrível. Foi a primeira vez que vomitei durante toda a minha gravidez, e espero que tenha sido a última. O Diogo ficou mais preocupado do que eu. Não sabia o que fazer, tadinho! Mas ele cuidou bem de mim e logo eu já estava boa. Creio que foi esses enjoos que toda grávida reclama, mas como isso nunca tinha acontecido comigo, realmente fiquei preocupada, achando que tinha algo errado com o bebê. Até parece, né? rsrs...
E o segundo... Afff... Só de lembrar eu me sinto mal.
Bom, durante toda a viagem, a namorada do meu irmão me irritou. Sei que tudo pode ser pela gravidez, por eu estar mais sensível e mais irritada, mas acho que ela passou dos limites.
Tipo, ela teve que ficar no meu quarto, pois tínhamos reservado apenas 2 quartos, sendo um pros meus pais e meu irmão e o outro pra mim, o Diogo, Isac e ela. Então querendo ou não, já é um incomodo, pois acaba por tirar um pouco a liberdade do casal. E depois vira e mexe ela tava reclamando de algo. Coisas do tipo: o nosso quarto é mais longe dos parques aquáticos do que o dos meus pai, pq a televisão só pode ficar na quarto do casal e não na sala (que era onde ela tava dormindo), o nosso hotel é inferior ao deles, pq que a gente fica mais tempo do Parque da Fontes do que no Hot Park... Enfim, coisinhas pequenas, mas que me irritavam dia após dia. Na minha cabeça eu pensava, poxa, como uma pessoa vem com a gente de favor, e ainda tem a cara de pau de ficar reclamando de tudo assim? Na verdade teve mais inúmeras coisinhas, mas que eu nem quero ficar relatando aqui pra não me estressar de novo pelo mesmo assunto.
Bom, daí a gente teve que vir embora um dia antes, por causa dos pedreiros que estava em obras lá em casa. Mas meu pai resolveu passar em Goiânia pra comprar umas coisinhas pro bebê. Achei o máximo, pois mesmo estando cansada da viagem, era empolgante tudo relacionado ao novo membro da família.
E mais uma vez ela deu xilique. Ficava reclamando de ta demorando, de ter que andar muito, do sol quente demais, que isso não era o combinado, que não adiantou nada ir embora um dia antes, pois estávamos perdendo esse dia em compras, e blá blá blá blá. Ah, era ela e meu irmão nessa chatisse.
Chegou uma hora que eu não aguentei mais e falei. Nem me lembro exatamente o que falei, mas sei que fui bem clara ao dizer que da próxima vez vamos vir eu e meu marido, e nada de levar eles dois, pois ela não tinha direito a reclamar de nada, pq estava indo de favor, e quem está nas condições que ela estava não podia fazer nada do que ela estava fazendo.
Pronto! Confusão armada.
Meu irmão ficou irritado comigo e tentou me empurrar, acertando o Diogo no meu lugar, e ela, é claro, conseguiu o que queria: colocar meu irmão contra a família.
Enfim, paramos as compras, cada um pro seu carro e voltamos pra casa.
Teve um final ruim. Mas depois de aguentar uma semana inteira as reclamaçãozinhas dela, e só no último dia eu explodir, já me surpreendi comigo mesma.
Perdi as estribeiras ao por pra fora aquilo que estava me incomodando a dias, mas eu não pude mais aguentar.

Bom, mas falando de coisas boas agora. A viagem, no geral, foi ótima! E vou postar algumas fotinhas de lá, pras quem não conhece ficar com vontade de conhecer, hehe...






























Um comentário:

  1. Ah, essas fotinhas que ficaram de lado não foi de propósito. Eu as virei, mas na hora que foi postado, simplesmente estavam assim, então deixei assim mesmo, rsrs... Eita preguiça de postar de novo.

    ResponderExcluir