quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Tipos de Partos

Desde quando se engravida, você nunca mais (até o nascimento) pára de pensar em parto. É uma neura que toma conta da nossa mente e que provoca arrepios! Mas pq isso acontece? Muito simples, porque as pessoas a nossa volta nunca têm boas histórias de parto pra nos contar, nos jornais só mostram mulheres parindo na frente do hospital, do lado de fora, sem atendimento médico, ficamos sabendo de outras que tem seus filhos sozinhas em casa (não por escolha) sem ajuda de ninguém, e muitas outras que perderam seus bebês por falta de auxílio ou até que morreram. Sim, o mundo nos oferece inúmeras informações de partos mal sucedidos. Mas e os partos que deram certo? Ah, esses não são tão anunciados não.
Mas eu, no meu auge de preocupação sobre parto, procurei mais informações sobre os parto que deram certo. Achei! E muuuuuuuuuitos!

Existem sites como: http://www.amigasdoparto.com.br/depoimen.html e http://www.partosemdor.com.br/portugues/depoimentos.php

Esses sites são de depoimentos reais de partos, sejam eles cesária, normal, natural humanizado... São mulheres comuns que contam detalhadamente o dia do parto. Lá a gente consegue ter uma noção real dos pontos positivos e negativos, das frustrações e das alegrias, e tudo vendo do ponto de vista da parturiente, e não do ponto de vista de jornalistas ou pessoas que intensificam as partes ruins e se esquecem das boas.

Vi bastante vídeos no You Tube tb, e indico assistirem dois (um cesária e um normal, mas só assista se tiver estômago forte): http://www.youtube.com/watch?v=YqFfSbgi1kY e http://www.youtube.com/watch?v=7jEZsOnUcWw

Existem vários tipos de partos, mas os mais conhecidos são: Parto normal (ou vaginal), parto cesária e parto natural. Mas ainda tem outros como: parto cócoras (ou das Índias), parto Leboyer (ou nascimento sem violência), parto na água e parto à forceps. Vou falar um pouquinho de cada.

Parto Normal ou Vaginal: é a forma mais convencional. Mas não necessariamente precisa ser como antigamente, sem anestesia de tudo. Hoje pode ser aplicada uma anestesia mais leve como a peridual ou a raque, sem ser geral, fazendo com que a mãe continue participando ativamente do parto. Mas tudo isso é feito em hospital.

Parto Cesária ou Cesariana: é uma cirurgia de médio porte, que deveria acontecer somente em casos específicos e não a toda hora e em qualquer situação. É feito um corte de 7 camadas, com aproximadamente 10 cm de comprimento, onde a mulher deve ser anestesiada parcialmente ou geral. De todos os tipos de parto, esse é o que requer mais cuidado antes, durante e depois do parto e o pós operatório é tb o mais demorado e crítico. É mais indicado em casos de sofrimento fetal, pré-eclampsia, posição fetal invertida ou inadequada, pressão arterial alta (da mãe), entre outras.

Parto Natural: geralmente é realizado em casa mesmo ou em casas de parto, porém sem intervenção médica nenhuma (nem anestesia), somente com a presença de uma doula (enfermeira/parteira) ou sem ninguém mesmo. É possível se ter um bebê assim, da forma mais natural possível, mas deve-se antes saber se a parturiente está dentro de todas as condições normais para um parto sem um hospital.

Parto de Cócoras ou Parto das Índias: É como o parto natural, só que na posição de cócoras. Nesse caso é necessário da ajuda de alguém (só um acompanhante mesmo) que posso ajudar a segurar a mãe nessa posição e para ajudar a segurar o bebê (para que ele, ao nascer, não venha a cair).

Parto Leboyer ou Nascimento sem Violência: é caracterizada por um ambiente com pouca luz, silêncio (principalmente após o parto), massagem na mamãe e nas costas do bebê, sem a famosa palmadinha no bumbum do neném para chorar, corte do cordão umbilical somente depois que pára de pulsar, e pode ser feito em casa mesmo ou tb numa casa de parto. Sem intervenções médicas e bem longe de hospital.

Parto na Água: como o nome já diz, é um parto feito na água, onde o bebê sai de um líquido quentinho (líquido amniótico) para outro tb quentinho, podendo ser em uma banheira (mais indicado) ou piscina. Este parto não é recomendado em caso de prematuro, presença de mecônio, sofrimento fetal, portadoras de HIV, Hepatite B, herpes genital... Tb não tem intervenções médicas, então a mamãe e o bebê devem estar bem, sem nenhuma observação preocupante.

Parto a Fórceps: o fórceps é um instrumento que se parece com uma pinça, onde o médico puxa o bebê para fora. É meio violento, mas só é usado em casos extremos, onde a mãe já não consegue mais forçar a expulsão do bebê, mas só é usado mesmo em caso de emergência, quando não dá mais pra esperar.

De todos esses tipos de partos eu prefiro o parto normal mesmo. Não gosto da idéia de cirurgia sem necessidade, mas tb não sou tão radical a ponto de tentar ter em casa sem recurso médico nenhum.
Eu não sou contra a nenhum, pois tudo depende do estado emocional e físico da mulher, e até das condições financeiras. Mas se fosse única e exclusivamente por escolha minha, eu realmente escolheria o parto normal. Infelizmente não tenho certeza se na hora eu vou mesmo ter coragem de encarar esse tipo de parto, e tb não sei se meu corpo vai de fato estar preparado (no sentido de dilatação e essas coisas).
Peço muito a Deus que eu dê conta. Que se necessário, eu opte somente por uma anestesia local mesmo, e que eu consiga participar ativamente do meu parto, sem estar dopada e cheia de intervenções  médicas. Mas... Sei que não depende só da minha vontade!

Enquanto não chega esse momento tão esperado, e às vezes até temido, vou pesquisando e assistindo vídeos de cada um dos tipos de parto. Ah, e orando, orando muito ao meu Deus, pra que seja feita a vontade d'Ele!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário